A Bahia tem uma triste estatística. Dados da Secretaria Estadual de Saúde revelam que 6.987 casos de AIDS já foram notificados no estado sendo que 268 apenas neste ano. A doença segue tendo, também aqui, o mesmo perfil preocupante da AIDS traçado pela OMS – Organização Mundial de Saúde – que atinge cerca de 150 mulheres por dia nos países da América Latina e Caribe, ou seja, nas paragens do Senhor do Bonfim também, mais e mais baianas estão sendo contaminadas. Então em Salvador , quase todas as ações educativas no âmbito da prevenção contra as DSTs/AIDS visavam, neste 01 de Dezembro, basicamente educar e prevenir a população feminina dos riscos que se corre ao desinformar-se e não fazer o uso correto dos preservativos.

Logo cedo o Gapa – Grupo de Apoio e prevenção a AIDS se manteve concentrado na zona portuária da cidade. Muitas mulheres vestindo vermelho e segurando balões da mesma cor dava um colorido todo especial ao evento. No local histórico e bem ao lado do Elevador Lacerda foram ditas, pelas militantes do GAPA, palavras de ordem que conclamava a quem passava pelo local ao grande desafio: “mulheres se cuidem”, “estejam alertas” e “se amem cada vez mais, não abram mão da camisinha”. Um ápice do ato afirmativo do GAPA foi o cantar – por todos os presentes – do hit “A Cura” do Lulu Santos. E logo em seguida balões foram soltos ao ar simbolizando a certeza do amanhã, quando a cura, tão esperada há de vir. Um enorme laço da solidariedade, de dimensões gigantesca foi colocado por um grupo de rapel numa das faces do edifício do Elevador Lacerda. Um modo interessante e visualmente criativo de chamar a atenção dos transeuntes para a importância da data.

A tarde foi a vez do FOBONG – Fórum Baiano de ONGs/AIDS – que congrega 35 entidades – se reunir em frente ao Palácio da Aclamação no Passeio Público desta capital. Entidades diversas estavam lá. Dentre elas a Bemfam – Sociedade Civil Bem Estar Familiar no Brasil que mandou o seu recado “mudar a cabeça para mudar o mundo – prevenção, faça a sua parte” e sem dúvida, as mais animadas eram as meninas mais que poderosas do grupo Palavra de Mulher. Além de distribuírem um manifesto em que reivindicam do poder público “Cadê o melhor programa de AIDS do mundo em Salvador?” os manifestantes do FOBONG deu uma grita geral “lutamos por uma política pública eficaz na atenção às pessoas que vivem com HIV/AIDS”.

A luta é constante e o Fórum não abre mão da humanização do tratamento e que não falte ao portador do vírus a medicação necessária à sua sobrevivência, etc. A cara da Bahia ficou por conta da farta distribuição de fitinhas – que enfeitando pulsos não nos deixa esquecer da responsabilidade que temos enquanto cidadãos de lutar pela integração e pelo respeito ao ser humano soropositivo, sem nenhum tipo de medo ou de preconceito.

Deise e Doris – Bemfam

Já na Estação de transbordo da Lapa a vez foi do GGB – Grupo Gay da Bahia dizer um grande “Não” a AIDS. Duvido que alguém não saiba que o GGB na Bahia, foi a entidade pioneira na luta contra esta epidemia que nos primeiros anos da década de 80 chegou a ser considerada “Peste Gay” ou “Câncer Cor-de-rosa”. Estigma cruel pelo fato da então desconhecida doença ceifar muitas vidas homossexuais. Houve hoje pelo GGB em comemoração ao Dia Mundial de Combate a AIDS, uma farta distribuição de preservativos, de folhetos e postais informativos aos usuários desta hiper movimentada estação de ônibus.

Como era de se esperar os travestis organizados da ATRAS, os jovens do Projeto Se Ligue e os militantes negros do Quibanda Dudu se fizeram presentes para juntar forças. Todos disseram: “Eu estou aqui” nesta campanha de utilidade pública e de conscientização. O toque especial ficou por conta dos bonecos camisinhas empresa de preservativos Gozzi, que aproveitou a ocasião deveras propícia para divulgar que a sua marca tem um diferencial na qualidade. Faixas e cartazes do Grupo Gay da Bahia eram explícitos ao afirmar: Todos a favor da vida! Gay inteligente se previne e usa camisinha. O pior vírus é o da ignorância.

Confira mais fotos:

Equipe de Rapel Láco AIDS/Elevador
Márcia Marinho – Coordenadora do GAPA
Conceição GAPA
Grupo Palavra de Mulher
Michele e Keila – Associação de Travestis
Fabiane Galvão – “A Diva que salta”
Use camisinha

Mais fotos na galeria: