O Dia da Pátria na Bahia: Uma mistura que faz bem!

gaysepatria011O sol tinindo em Salvador. Gente saída de tudo quanto é canto. Nem perdi meu tempo vendo o desfile militar porque quase sempre é a mesma coisa e em toda cidade tem. E depois pra alguns Gays e na base do fetiche, ver militar desfilando só da cintura pra baixo ou do pescoço pra cima. A ditadura, aquela bruxa que levou décadas dominando e massacrando com seu coturno de autoritarismo os diferentes, esta já se foi. Ela sim, que no 31 de março punha o seu arsenal nas ruas pra intimidar o povo comemorando uma revolução que nunca aconteceu. É golpe mona…fuja! Esqueça esta página triste da nossa história.

gaysepatria017Mas deixa pra lá que o babado é outro. A Bahia é berço. Embala eu mamãe….que terra idílica é Salvador. O nome já diz tudo. Salva-te da dor = Salvador ahahah esta eu inventei, perdão! Se estás sofrendo, faça as malas e vem pra cá. A Bahia te espera. Aqui não há surpresas, tudo já existe, mas com o jeito baiano o avesso do avesso é melhor. Tente ! Se movimente, quem fica parado é poste! Saí tarde, com toda a preguiça do mundo, acho que de paulista da Penha não tenho mais nada, mas registrei o que adoro ver: gente.

Amo ver as pessoas se virando no trampo do desfile da Independência. Gosto de ver a criatividade, o colorido, a garra e a alegria no rosto dos manos baianos. E em se tratando de Gays então, dou uma boiada pra não sair do meio. Olha só que hoje a data magna da Independência do Brasil, os excluídos estavam nas ruas exigindo direitos.

gaysepatria021O Grito dos Excluídos é ato público de iniciativa católica que existe desde 1995 e este ano andou mal das pernas em todo o país. Muito poucos os participantes. Acho que só em Aparecida em São Paulo vai conseguir chegar próximo à expectativa dos organizadores. Ou o Governo Lula está excluindo menos ou a alienação está aumentando. A nação gay, que aqui na Bahia é seguramente uma das maiores do país, estava concentrada nos redutos de sempre. Onde tiver melhor visibilidade da movimentação urbana: desfiles, passagens de trios, paradas e outros eventos públicos, lá estão as bibas nas esquinas, sob as marquises ou em bandos [ da mesma plumagem] como adoram estar, mas um detalhe, sempre no ponto mais estratégico. Ver e ser visto é fundamental. Só pra lembrar Salvador é a terceira cidade em população do país.

gaysepatria025Em torno do rainbow, a de porte médio, já que o GGB possui um arsenal de bandeiras do arco-íris o candidato a vereador Marcelo Cerqueira, do PV e gay assumido teve uma ativa participação no cortejo cívico. Acho que para Marcelo, candidato único da comunidade GLSBT de Salvador, independente de Dia da Pátria ou não, os Gays e Lésbicas tem que participar no processo de transformação social. O ouvi dizer: “Gay vota em Gay”, “está em nós homossexuais a força da mudança e da conquista de direitos”, “ O amor que fica é o amor à vida: crime de homofobia nunca mais”. A multidão espremida nas estreitas calçadas quando viam as bibas militantes ovacionavam, davam fiu-fiu ou repetia velho jargão das Paradas Gays “ A Bahia é Gay”, “Salvador é Gay”..isto tudo é muito engraçado. Acho que a Roma Negra é chegada à gays. Como é bom viver numa democracia. Claro que gays dividindo o espaço com os outros políticos das chapas marjoritárias a prefeito e movimentos sociais diversos como facções católicas, de negros e de moradores de rua que, diante da matança em São Paulo, pela primeira vez na Bahia se organizaram e exigem um basta a violência e a impunidade.

gaysepatria029Ao longo do trajeto do Desfile da Independência tudo acontece na Avenida Sete. Salvador é enorme, agora é impossível não passar por esta avenida. Ela é tão antiga quanto a dor de barrriga. Criança que não acaba mais. Não sei de onde saiu tanto erê. Mas o hilário mesmo é que se podia ver os curiosos tipos locais. Que em época da caça ao voto se esmera e trata de tirar uma lasquinha. Bira do Jegue, eterno batalhador por uma vaga na câmara de vereadores parecia um “boca do inferno” ao xingar os poderosos da terra. Baixou o espírito do Gregório de Mattos.

Senti muita falta das balizas, digo os rapazes que fazem piruetas fantásticas à frente das fanfarras dos colégios, eles são simplesmente divinos, um show à parte. As pessoas adoram, vibram, torcem e me parece um toque de requinte para qualquer desfile. Este ano, não sei se é verdade, correu um boato de que iam tirar os gays das fanfarras. Eles arrasavam demais. Fecham horrores. Alegram mais que as contorcionistas. Eclipsiam as mulheres ahahahh. Algum despeitado[a] com inveja do brilho dos meninos ousa atentar contra um dos espetáculos mais lindos dos desfiles de rua em Salvador. Uma pena. Tomara que não seja verdade, mas eu mesmo senti falta.

gaysepatria002A Bahia tem que ser a sua cara. Repita comigo e pongue na Bofetada “ A BAHIA É A MINHA CARA”. Pronto é fácil e simples ser feliz. Olha, é humano ver beleza nas cores dos carrinhos de café, nos sorrisos das baianas do acarajé, no toque dos timbaus, nos gays que vende doces nas esquinas e nas pedras “cabeça de nego” do chão do Pelô.

Pois é Viva o Brasil de todos nós. Que a independência deste país se transforme num sentimento interior de auto estima. Que dentro em pouco não sejamos mais os excluídos. Temos direito a um Brasil sem homofobia. E se estiver nos planos se dar bem a Bahia está a poucos passos do seu coração. Vem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>