Boa Noite Cinderela

O ENGANO FATAL: BOA NOITE CINDERELA.

marccelus_cinderela

O número de vítimas vem crescendo. É o que se comenta na comunidade gay de São Paulo (SP). É raro alguém que freqüenta à vida noturna gay paulista não conhecer a história de um homossexual vítima do boa noite. Este golpe acontece com maior freqüência nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. Existem muitos relatos de vítimas em Belo Horizonte, Florianópolis, Salvador, Curitiba, dentre outras. A concentração da ocorrência do golpe, parece ser, na região sul e sudeste do país.

O boa noite extrapolou a comunidade gay. Em São Paulo (SP), já aconteceram casos de homem hétero aplicar o golpe em garotas de classe média e mulheres héteros, atuando em duplas, aplicarem em homem hétero. Mas, a maioria das vítimas continuam sendo os gays.

O golpe Boa Noite Cinderela é um roubo onde a vítima é atraída e dopada através de uma substância química que é colocada na bebida, na bala, no chocolate ou chicletes. Roubar significa subtrair algo para si ou para outrem, mediante grave ameaça ou violência à pessoa, depois de havê-la, por qualquer meio, reduzido à impossibilidade de resistir.

marccelus_cinderela1As drogas mais usadas pelos bandidos são: GHB (ácido gama-hidroxibutírico), Ketamina e Rohypnol (flunitrazepam). Esta última é usada para tratamento de insônia. Todas elas em doses altas matam. Elas são depressoras do sistema nervoso central, podendo provocar amnésia para eventos ocorridos durante a intoxicação. Misturadas com o álcool, inicialmente provoca a desinibição comportamental, euforia e sensação de bem-estar. Em seguida, sonolência, dificuldade de resistir às ameaças físicas ou psicológicas. A crítica é anulada e a vítima fala e faz tudo o que o bandido quer: número da senha dos cartões do banco, endereço etc. A vítima fica refém do bandido. São drogas usadas, também, por sociopatas estupradores.

O perfil psicológico do sociopata apresenta estas características: tem inteligência normal ou acima do normal, exerce um considerável charme pessoal e, em geral, não tem nenhuma ansiedade, sentimento de culpa, depressão ou remorso pelo ato cometido. O sociopata sofre de grave distúrbio psicológico chamado de Transtorno de Personalidade Anti-social. Este transtorno de personalidade é caracterizado por um desprezo pelas obrigações sociais e falta de empatia para com os outros. Há um desvio considerável de conduta entre o comportamento e as normas sociais estabelecidas.

O prazer em seduzir, enganar e ter o poder sobre a vítima dominada faz parte da lógica perversa e sádica do bandido. Este prazer é reforçado com o furto do dinheiro, o saque no banco com o cartão da vítima, o uso do cartão de crédito e a posse dos objetos roubados. Tudo indica, segundo relatos das vítimas, que a maioria dos bandidos são héteros que conhecendo a fragilidade social da pessoa homossexual, se passa por homossexual para agir. Sabem que a grande maioria das vítimas não farão boletim de ocorrência para não se exporem perante a autoridade policial. O gay se torna uma vítima fácil.

marccelus_cinderela3Parece existir um rodízio, onde o bandido passa um tempo atuando em uma cidade, depois de aplicar vários golpes, se muda para outra. Os oriundos do Rio de Janeiro atuam em São Paulo e vice versa. Depois vão para o interior de São Paulo, em seguida para Belo Horizonte e assim por diante. Abordam suas vítimas potenciais em: bar, boate, sauna, café, sala de bate-papo na Internet e shopping center. Suas vítimas preferenciais são os gays maduros, pois hipoteticamente teriam uma estabilidade financeira e uma gorda conta bancária.

O objetivo da ação criminosa é abordar à vítima em um lugar gay, dopá-la, e em seguida cometer o furto ou latrocínio que é o crime contra o patrimônio que consiste em apossar-se de coisa alheia mediante violência que resulta na morte da vítima. Os lugares preferenciais são bares e boates, onde existe bebida com álcool. É necessário que o gay se proteja conhecendo a linha de ação ou modus operante do bandido, que é dividido em cinco fases.

Fase 1: Escolha da vítima. No lugar gay ele vai estudar bem a sua vítima. A roupa que a vítima veste, bem como as pessoas que estão na companhia dela dão dicas para ele. Seu objetivo é abordar alguém com uma boa condição financeira. Escolhida à vítima ele parte para ação.

Fase 2: Sedução da vítima. Aqui ele tem dois caminhos: seduzir ou se deixar seduzir. Criará uma situação de proximidade física procurando demonstrar interesse pela pessoa. Pedir um isqueiro, perguntar às horas, piscar o olho e sorrir são os sinais preferidos para sedução.

marccelus_cinderela2miniFase 3: Conquista da vítima. É hora de ganhar confiança. Existem dois padrões de comportamentos, ou ele vai fazer perguntas para a vítima: o que faz? onde reside? com quem reside? que carro tem? etc. ou ele vai ficar quieto e esperar que aos poucos a vítima vá soltando as informações. Ele falará da sua “história” de vida, já arquitetada anteriormente: resido com minha mãe, com um parente, estou de férias hospedado na casa da tia no bairro tal etc. Detalhe importante, nesta fase ele agirá objetivando consolidar a sua farsar, por exemplo, apresentar o cartão da empresa que ele trabalha, cartão evidentemente roubado e falso. Pode dizer que nesta semana ele vai esperar à pessoa na loja que ele é gerente, na rua tal, para tomarem um café juntos. Ele criará situações para legitimar sua farsa e ganhar à confiança da pessoa.

Como sua atitude, nesta fase, é centrada em consolidar à conquista ele terá comportamentos do tipo: buscar a cerveja no bar e na frente da vítima passar o guardanapo na abertura da lata e abrir a lata visivelmente oferecendo o primeiro gole para ela. A mensagem que ele quer passar é: sou de confiança! a lata não contém nada! Fique atendo, esta é uma grande dica.

Numa boate ou bar gay ele fará um contato físico tentando excitar sexualmente sua vítima, para ir quebrando barreiras. Agirá passando suas mãos nas pernas, nos mamilos, no peito, pescoço etc. para excitar às zonas erógenas. Duas grandes dicas, fique esperto: se neste jogo de sedução ela não quiser beijo na boca: Não, não gosto em público! Tenho dificuldades! Estas são, geralmente, as justificativas dadas. Fique alerta! A outra dica é, com tanta excitação o sujeito não fica com o pênis ereto? Atenção, tem algo estranho.

O sujeito provavelmente não é gay. São observações que não podem ser generalizadas. Existem casos de bandidos gays que poderão ficar excitados. Mas, se não ficou é para desconfiar mesmo! Ele vai querer confirmar à conquista e perguntas poderão surgir para testar a reação do seduzido: Por que você está olhando tanto para mim? Fale mais sobre você? Não que saber mais sobre mim?

Confirmada à conquista é hora de agir. Deverá ir ao banheiro para tirar a droga da carteira. Em seguida, irá com a pessoa ao bar e pedirá duas bebidas, de preferência em lata: cerveja, refrigerante ou bebida energética. Poderá utilizar, também, copo ou garrafa long neck descartável. O ideal para ele é a bebida com álcool para ser misturada com a droga. Disfarçadamente a droga é colocada no recipiente. Ele poderá, num truque, trocar o recipiente, de forma que a vítima pegue o recipiente dele com a droga. Ou ele simula que está bebendo e oferece, de forma insistente, para a pessoa beber do recipiente dele. Nesta fase poderá surgir chicletes ou balas contaminadas, caso a bebida tenha sido recusada ou ele ache que a vítima não bebeu da bebida contaminada.

Fase 4: Definição da estratégia. A vítima está eufórica, dançando, relaxada e alegre. O bandido se certificou que a droga pegou. Ele fará a proposta de saírem do local: motel, casa da vítima etc A partir deste momento ele tem mais ou menos uma hora para agir. Se isto não ocorrer a vítima começará a entrar no estágio de sonolência e apagará. Tem que agir rápido!

marccelus_cinderela4bannerNovas excitações nas zona erógenas da vítima … seu poder de sedução está em jogo … a adrenalina corre solta nas veia do bandido … seu prazer é imenso … a vítima reluta, está muito gostoso, a música, a sedução … a última cartada … pegaremos um táxi e vamos para minha casa? Propõe o bandido. Não irão no carro da vítima, se ela possuir um, porque ela já não tem condições de guiar. Ele propõe isto, mas no meio do caminho pode simular uma ligação telefônica e dizer que não poderão ir para casa dele, inventa uma desculpa. Propõe o motel … neste estágio ele já tem o domínio total da vítima. A vítima cedeu. O bandido continua com o recipiente de bebida contaminado na mão e oferece mais alguns goles para vítima.

Fase 5: Consumação do roubo. No local, só com a vítima, pegará os cartões, dinheiro e talão de cheque e perguntará as senhas do banco para vítima, que falará sem resistência. Se estiver na casa da pessoa vitimada, poderá juntar objetos de valor numa mala: roupas de grife, uísque, jóias, DVD etc. Se for violento cometerá o latrocínio.

Este modus operante tem variações. Primeira variação: A ação pode ocorrer em duplas de bandidos. Segunda: as fases quatro e cinco poderão ocorrer em outro dia: semanas ou meses depois. Se o bandido perceber que a presa é “gorda”, tem muito dinheiro, ela deverá ser “curtida” para o “bote” final. Ou seja, marcarão encontros, jantares etc. para consolidar a fase da conquista. Sem sexo se o bandido for hétero, com sexo se for gay. Conquistada à confiança, já na casa da vítima, a consumação do golpe será efetuada.

Este texto é uma cortesia do psicólogo José Pedrosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>